quinta-feira, 11 de setembro de 2008

dia sim, dia não

Dia sim, dia não, acordava e regava as plantas. Sentia-se viva naquele ato. Via na simplicidade o inteiro. Entregava-se à casa de areia que erguera sobre a cegueira. Preferiu fechar os olhos a aprender que cada folha tem seu tempo. Mecânica, reconheceu-se vazia quando percebeu do alto que seus vasos sumiam na mata. E que só as palmeiras imperiais chegam perto do céu. Seca, rasgou, furou, amarelou, quebrou...Acordou no dia não e lembrou que graveto é bom para fazer fogueira.

3 comentários:

Petru P. disse...

q manero ! evoé pra noix !
adorei a novidade , depois vo deixar o link do teu blog la .

Sabrina disse...

em chamas chamas

chama o tempo de outra planta
e recomeça o dia.

ficou bonito o blog!
bjo

menta disse...

adorei o espaço.

boas horas!

beijo